20 Maio 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalAlmadaColapso de pontão da Trafaria coloca em perigo núcleo importante de cavalos-marinhos

Colapso de pontão da Trafaria coloca em perigo núcleo importante de cavalos-marinhos

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas considera que as espécies necessitam de protecção urgente

 

- PUB -

O colapso de um dos pontões da Trafaria, em Almada, na passada sexta-feira, colocou em perigo um núcleo populacional de cavalos-marinhos, que será agora recolhido e alojado no Oceanário de Lisboa até à sua devolução à natureza. A operação será realizada hoje.

Em comunicado, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indica que aquela operação sublinha que os cavalos-marinhos, das espécies Hippocampus, hippocampus e H. guttulatus, que vivem debaixo do pontão na Trafaria, têm graves problemas de conservação, necessitando de medidas de protecção específicas e urgentes.

O núcleo populacional é de dimensão desconhecida, mas a densidade encontrada debaixo dos pontões parece ser elevada, pelo que o ICNF considera ser “bastante pertinente a sua protecção”, colocada em perigo pelo colapso do pontão e com a necessidade, por questões de segurança, de proceder ao afundamento do que resta dele.

- PUB -

Dada a urgência de intervir no pontão, o ICNF defende que seria importante assegurar a translocação para um outro local com características adequadas ou mantê-los em cativeiro até poderem ser novamente devolvidos à natureza.

Assim, o ICNF decidiu emitir as necessárias autorizações para a captura do maior número de espécimes de cavalos-marinhos da população, tendo conseguido, para isso, que a Autoridade Portuária do Porto de Lisboa, salvaguardando as questões de segurança adequadas, adiasse a sua intervenção no pontão para permitir essa captura.

A captura será efetuada hoje por peritos excepcionalmente licenciados pelo ICNF para esta operação.

- PUB -

O Oceanário de Lisboa, que ficará responsável pelo acolhimento e manutenção dos espécimes de cavalos-marinhos até ao ICNF decidir sobre a sua devolução à natureza.

As espécies em causa estão listadas nos anexos da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção e no Regulamento Comunitário que aplica essa convenção na União Europeia.

Foram ainda incluídas nos anexos do recentemente publicado decreto-lei que aprovou o regime jurídico aplicável à proteção e à conservação da flora e da fauna selvagens e dos habitats naturais das espécies enumeradas nas Convenções de Berna e de Bona.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Dez dias de música em vários palcos da cidade de Setúbal com os melhores sons e vozes

O festival arranca com Pedro Abrunhosa, atravessa vários artistas e termina com Cuca Roseta

Jovem sequestrado e violado em casa de banho da estação de comboios de Coina

Rapaz de 16 anos foi abusado por homem de 43. Violador está agora em prisão preventiva
- PUB -