8 Maio 2021, Sábado
- PUB -
Início Local Almada Almada investe meio milhão de euros na primeira fase de requalificação do...

Almada investe meio milhão de euros na primeira fase de requalificação do Eixo Central da cidade

Procedimento para contratação pública foi aprovado, mas BE e CDU colocam questões sobre protocolo tripartido

 

- PUB -

A câmara vai investir 425 mil euros na Fase 1-A da requalificação do Eixo Central de Almada. Uma intervenção para redesenhar a mobilidade do trânsito automóvel, transportes públicos e peões, que abrange a Praça Movimento das Forças Armadas e a Praça Gil Vicente.

O procedimento de contratação pública para a execução da empreitada de obra pública foi aprovado na reunião de executivo de 15 de Fevereiro, com os votos a favor do PS e PSD, que partilham a gestão do município, pela vereadora do BE e abstenção dos vereadores da CDU.

A execução do projecto abrange 43 800 metro quadrados, e vai reabrir a rotunda da Praça Movimento das Forças Armadas à circulação automóvel e requalificar a rotunda da Praça Gil Vicente, ambas atravessadas pelo Metro Sul do Tejo (MST). “Este é um anseio antigo tanto da população como dos comerciantes para melhorar a mobilidade neste espaço” disse o vice-presidente da câmara de Almada, João Couvaneiro, que lembrou uma proposta do anterior executivo da câmara, gerido pela CDU, “no qual a actual gestão não se revê”.

- PUB -

A Fase 1-A contempla assim a reabilitação da rotunda na Praça Movimento das Forças Armadas, sendo mantido o monumento ali existente, a reformulação geométrica da rotunda na Praça Gil Vicente e da rotunda dos ‘Bancos’, implementação de um perfil transversal com dois sentidos, que poderá incluir gares de paragem de transportes públicos. Estão ainda previstas alterações ao estacionamento existente, e introduzidos lugares para veículos ligeiros, reservados a pessoas com mobilidade condicionada, e de cargas e descargas.

A operação vai também requalificar e homogeneizar os pavimentos do Eixo Central de Almada, intervir nos passeios, uniformizar as zonas de atravessamento de peões, nova sinalização e reformular a rede de drenagem de águas pluviais, abastecimento de água e serviços de combate a incêndios.

- PUB -

Para além desta fase de obra, existirá a Fase 1-B para remodelar a Avenida D. Nuno Álvares Pereira e Avenida D. Afonso Henriques. A Fase 2 vai recair no cruzamento da Avenida Bento Gonçalves com a Rua Lopes Mendonça e o entroncamento com a Rua Mendo Gomes Seabra. Segue-se a Fase 3 para a rotunda do Centro Sul e o cruzamento da Avenida Bento Gonçalves com a Rua Lopes Mendonça. A Fase 4, e última, vai evoluir entre a Praça Gil Vicente e a rotunda de Cacilhas.

Desacordo sobre um protocolo de acordo

Apesar de concordarem com a obra, os quatro vereadores da CDU abstiveram-se sobre a proposta e, tal como a bloquista Joana Mortágua, criticaram a maioria que governa a autarquia por ter assinado um protocolo com a Metro Transportes do Sul (MTS) – que opera o MST – e o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) para a execução do projecto, sem ter ouvido a oposição.

Trata-se de um acordo assinado a 30 de Dezembro do ano passado, e que acabou por marcar a reunião de câmara de segunda-feira. “Foi assinado com base em que discussão? Ou a presidente [Inês de Medeiros] assina sem ouvir a câmara?”, questionou a vereadora comunista Amélia Pardal. E ouviu João Couvaneiro dizer que os “serviços jurídicos esclareceram que esse protocolo está dentro das competências da presidente da câmara”.

A questão do acordo tripartido foi ainda focada pelo vereador social-democrata Miguel Salvado, mas para apontar o dedo à anterior gestão CDU por nunca ter conseguido entendimento com a MTS para “reparar uma obra que foi mal feita”. “Estamos a tentar mitigar um problema e dar melhor mobilidade ao eixo central da cidade. Um problema que o anterior executivo [CDU] não queria resolver para não admitir que errou”.

Uma afirmação contestada pelo vereador comunista José Gonçalves, que pertencia ao executivo CDU aquando da instalação do MST, a qual obrigou a alterações profundas na circulação na cidade. Lembrou o vereador que, “entre 2013 e 2017, foi feito trabalho para reabrir a Praça do MFA à circulação automóvel, mas não o podia fazer sozinho”, e aqui referia-se à falta de entendimento do Governo e MTS para “aceitar o estudo da autarquia”. Não só para esta zona, mas também “sobre as implicações” que a alteração de circulação pode causar a toda a cidade.

 

- PUB -

Mais populares

Barcos da Transtejo/Soflusa param travessia do Tejo a 20 de Maio

Na reunião de hoje com a administração da empresa, e conforme o que tinha sido decidido em plenário de trabalhadores da semana passada, o...

Sindicato não aceita aumentos de salários propostos pela administração da Autoeuropa

Administração da fábrica da Volkswagen em Palmela quer acordo que prevê aumentos salariais a três anos em função da taxa de inflação, sindicato contesta

Empresa dedicada à comercialização de canábis chega a Setúbal com nova unidade no parque BlueBiz

Espaço servirá para pós-colheita da planta medicinal. Produtora escolheu a cidade sadina “por possuir excelentes acessibilidades e oferecer flexibilidade nas suas instalações”   A empresa Clever...
- PUB -