2 Dezembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalAlmadaVinte anos de prisão para mulher que atirou óleo a ferver e...

Vinte anos de prisão para mulher que atirou óleo a ferver e esfaqueou companheiro até à morte

Ana Gomes confessou o crime poucas horas depois. Diz ter-se defendido de um ataque

 

- PUB -

O Tribunal de Almada condenou a 20 anos de prisão uma mulher que assassinou brutalmente o namorado 27 anos mais novo em casa, na Moita, por ciúmes. O homicídio deu-se na manhã de 11 de Novembro de 2019 na Rua Bernardo Santareno, no centro da vila.

Ana Gomes, 54 anos, atirou óleo a ferver sobre a face da vítima, Bruno Carril, de 27, enquanto este dormia. Bruno ainda correu para a casa de banho, mas a agressora seguiu-o com uma faca e matou-o com quatro golpes. Um dos golpes atingiu fatalmente Bruno no pescoço. Após certificar-se de que o companheiro estava sem vida, a mulher saiu de casa e dirigiu-se à casa da sua irmã, a poucos quilómetros.

Ana confessou imediatamente o crime à irmã, como se fosse uma notícia esperada há muito. “Matei-o”, disse à irmã. Esta perguntou-lhe como sabia que ele estava morto, já que as autoridades ainda não tinham sido alertadas, ao que Ana respondeu: “tenho a certeza”.

Ana e Bruno conheceram-se online e rapidamente se juntaram
- PUB -

As duas seguiram depois para o posto da GNR da Moita, onde a autora do crime confessou e disse ter agido para se defender de um ataque do companheiro.

A mulher nunca apresentou qualquer queixa na justiça contra Bruno, de quem disse ser vítima de agressões e, na Urbanização São Sebastião, onde o casal morava, a vizinhança nunca deu por nada que levasse a crer que Ana era vítima de violência doméstica dentro de casa.

Na origem do crime, foi agora provado em tribunal, está o ciúme da homicida, que viu o companheiro a trocar mensagens com outra mulher, a combinar encontros.

- PUB -

Para além da pena de prisão por homicídio qualificado, a arguida foi ainda condenada ao pagamento de 133 mil euros aos pais de Bruno.

Agressor e vítima tinham-se conhecido online há oito anos e rapidamente a mulher de 54 anos deixou o marido para se juntar ao namorado. Chegaram a viver na aldeia de Pegarinhos, em Alijó, de onde a vítima era natural, mas mudaram-se para a Moita para a casa da agressora, em busca de melhores oportunidades de trabalho.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -