11 Maio 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Local Almada Utentes da Transtejo protestam na Trafaria contra redução de horários das carreiras

Utentes da Transtejo protestam na Trafaria contra redução de horários das carreiras

Utentes da Transtejo estão desde as 7h00 de hoje junto à estação fluvial da Trafaria, em Almada, em protesto contra a redução de horários da carreira Trafaria/Porto Brandão/Belém, disse à Lusa João Horta, um dos organizadores.

- PUB -

Em declarações à agência Lusa, João Horta, representante do movimento contra a redução de horários da carreira Trafaria/Porto Brandão/Belém, explicou que o protesto está decorrer “de forma simbólica e pacífica” com a entrega de panfletos à população e com o cumprimento de todas as regras de segurança devido à pandemia de covid-19.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, e Lisboa.

João Horta contou à Lusa que a Transtejo durante a fase de confinamento devido à pandemia do covid-19 reduziu os horários de todas as carreiras que ligam as margens do Tejo.

- PUB -

No entanto, até dia 08 de junho todas as carreiras viram os seus horários voltar à normalidade, exceto a ligação Trafaria/Porto Brandão/Belém.

“Antes da pandemia tínhamos barcos de hora a hora e de há um tempo a esta parte desde que começou a pandemia decidiram reduzir os horários, aliás comum a todas as travessias do Tejo. O que acontece é que já repuseram os horários em todo o lado exceto na Trafaria”, disse.

De acordo com João Horta, atualmente existem quatro barcos a fazer a carreira da manhã (de hora a hora) e três à tarde e depois ao fim de semana duas de manhã e três à tarde.

- PUB -

“Ou seja, passamos o dia inteiro em que simplesmente não há travessia”, frisou.

João Horta adiantou que há um mês pediu justificação à Transtejo, mas não responderam.

“A junta de freguesia [da Trafaria] pediu uma reunião com o conselho de administração e ficou marcada para dia 18 de junho, depois passou para 19 e depois anularam. Neste momento não sabemos o que se passa e estão a esquecer as pessoas”, disse.

João Horta esclareceu que o protesto é simbólico, com poucas pessoas, que estão a distribuir comunicados à população para os alertar para o problema.

“É uma coisa pacífica. Não queremos juntar as pessoas. É só para alertar para a situação e para ver se conseguimos alguma resposta por parte da Transtejo”, referiu.

João Horta disse ainda que o movimento está a ponderar intensificar as ações de luta se os horários não forem repostos.

Lusa

- PUB -

Mais populares

Barcos da Transtejo/Soflusa param travessia do Tejo a 20 de Maio

Na reunião de hoje com a administração da empresa, e conforme o que tinha sido decidido em plenário de trabalhadores da semana passada, o...

Luís Maurício: “Vamos fazer tudo para criar a polícia municipal”

Cabeça-de-lista do Chega à Câmara de Setúbal diz que concelho é inseguro e quer videovigilância em certas zonas da cidade   Luís Maurício, de 42 anos,...

Porto de Setúbal: Tersado recebe grua de última geração

A nova grua está optimizada para navios da classe Panamax, permitindo subir e descer as cargas a uma velocidade até 120 metros por minuto   A...
- PUB -