16 Abril 2024, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalAlcocheteAutarca de Alcochete alerta que concursos de empreitadas no âmbito do PRR...

Autarca de Alcochete alerta que concursos de empreitadas no âmbito do PRR estão a ficar desertos

Plano Comunidade em Acção está estruturado para dar respostas em sete eixos de intervenção, onde se concentram diversas vulnerabilidades sociais e económica

 

- PUB -

O presidente da Câmara Municipal de Alcochete, alertou esta quarta-feira que as autarquias estão com dificuldades em cumprir prazos nos projectos financiados, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, revelando que alguns concursos ficam desertos.

Fernando Pinto falava durante o encontro “Comunidades em acção – operações integradas metropolitanas”, que decorreu hoje em Alcochete, um programa que é considerado com um dos maiores investimentos realizados na Área Metropolitana de Lisboa, ao nível das comunidades desfavorecidas.

O encontro de hoje, de um total de seis encontros bianuais (o primeiro realizou-se em Lisboa, em Setembro de 2023), que decorrerão até ao último trimestre de 2025, incidiu no trabalho dos três municípios do Arco Ribeirinho Sul-Nascente: Alcochete, Montijo e Moita.

- PUB -

O Plano Metropolitano de Apoio às Comunidades Desfavorecidas da Área Metropolitana de Lisboa, que conta com um financiamento de 121,5 milhões de euros por parte do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência, será materializado em 31 operações locais, em todos os municípios da área metropolitana de Lisboa, até Dezembro de 2025.

Fernando Pinto destacou a importância desta ajuda financeira, mas manifestou-se preocupado com os ‘timings’ para o seu desenvolvimento, indicando que os concursos de empreitadas começaram a ficar desertos pairando no ar “uma expectativa de que as coisas poderão não correr tão bem quanto o desejado”.

“Vivemos numa região com muitas assimetrias e dificuldades. Esperemos que estes três concelhos possam ser um exemplo no que respeita ao aproveitamento deste PRR no âmbito das operações integradas nas comunidades desfavorecidas. Faço votos para que termine a tempo e horas, mas deixo no ar esta dificuldade”, disse, adiantando que um dos caminhos possíveis poderá ser o incremento do valor das empreitadas.

- PUB -

A mesma preocupação foi manifestada pelo presidente da autarquia da Moita, Carlos Albino.

“Partilho das preocupações que elencou. Não sei se a estratégia de vir a aumentar o preço dos concursos será a melhor estratégia porque vamos todos juntos contribuir para inflacionar os preços”, disse.

Carlos Albino defende que seria mais interessante dilatar os prazos de execução.

O plano Comunidade em Acção está estruturado para dar respostas em sete eixos de intervenção, onde se concentram diversas vulnerabilidades sociais e económicas: ambiente e valorização do espaço público, cultura e criatividade, educação, cidadania e empoderamento das comunidades, emprego e economia local, saúde e dinamização social.

As verbas estão a ser aplicadas em intervenções físicas e em acções imateriais, de acordo com as características, problemas e oportunidades de cada comunidade.

- PUB -

Mais populares

José Mourinho: “Dá-me prazer que as pessoas conheçam as minhas origens”

Técnico sadino em Setúbal para gravar com a Adidas e “mostrar ao mundo” a cidade onde nasceu e cresceu

Lisnave distribui mais de três milhões de euros pelos trabalhadores

Prémio é justificado com resultado obtido no ano passado, descrito o "melhor desempenho de sempre"

Sistema Navegante indisponível no fim-de-semana mas transportes circulam normalmente

Falha é devido a uma “pausa temporária para actualizações com vista à simplificação e implementação de melhorias de performance”
- PUB -