9 Julho 2024, Terça-feira

- PUB -
GEOTA contra projeto reformulado de pêra-abacate em Alcácer do Sal

GEOTA contra projeto reformulado de pêra-abacate em Alcácer do Sal

GEOTA contra projeto reformulado de pêra-abacate em Alcácer do Sal

Açude da Murta “corre o sério risco de secar” caso seja aprovado o projecto de plantação, alerta a organização

A organização ambientalista GEOTA alertou esta terça-feira que o açude da Murta, em Alcácer do Sal, “corre o sério risco de secar” caso seja aprovado o projecto de plantação de abacates previsto para aquele concelho.

- PUB -

Num comunicado de imprensa enviado à agência Lusa, o Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) argumentou que este açude “é um ‘spot’ de biodiversidade e fornece água doce a inúmeras espécies de aves e mamíferos, entre outros”.

Mas, “se a plantação de abacate prevista para as Herdades de Murta e de Monte Novo, na região de Alcácer do Sal, avançar com parecer positivo da CCDR Alentejo, o açude da Murta corre o sério risco de secar”, pode ler-se na nota.

Ao alertar para o eventual desaparecimento deste açude, o GEOTA frisou que “não se trata tão somente de manter a diversidade de habitats, mas de concentrar esforços na mitigação das alterações climáticas, preservando e fomentando o uso sustentável dos recursos hídricos”.

- PUB -

O Projeto Agroflorestal das Herdades de Murta e Monte Novo abrange uma área total de 2.402,10 hectares da freguesia de Comporta e da União das Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana.

O projecto inicial, da responsabilidade da empresa Expoente Frugal Lda, do grupo Aquaterra, contemplava a criação “de uma área agrícola de produção de pêra-abacate com 722,24 hectares e de uma área florestal de produção de 1.415,85 hectares”, segundo o resumo não técnico do Estudo de Impacte Ambiental (EIA), disponível no portal Participa, consultado pela Lusa.

No entanto, a proposta, que não recebeu parecer favorável da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo, foi reformulada e entrou em fase de consulta pública, a qual termina precisamente hoje.

- PUB -

O projecto reformulado prevê agora uma redução da área de plantação para 658,44 hectares, uma alteração na área de estruturas e infra-estruturas de apoio para 76,04 hectares, a eliminação do Centro Interpretativo da Zona Especial de Conservação (ZEC) Comporta/Galé e de dois dos 34 furos para captação de água previstos.

No comunicado divulgado hoje, o GEOTA considerou que “é de lamentar a falta de visão de empresas que apostam numa perspectiva de lucro/benefício imediato, camuflado por valores de competitividade económica e social, ao promoverem monoculturas tropicais de regadio intensivo”.

Este tipo de investimentos, alegou a organização ambientalista, “aos poucos descaracteriza a paisagem” e conduz “à exaustão dos recursos hídricos numa zona do país que há muito se encontra em seca estrutural”.

“A cultura do abacateiro exerce enorme pressão sobre os aquíferos e, se a CCDR Alentejo der o aval a mais uma plantação, neste caso com mais de 658 hectares, calcula-se que o volume de água subterrânea extraída por ano pela empresa promotora do projecto corresponderá a mais de 2.850 milhões de litros, alterando de vez o equilíbrio deste aquífero e consequentemente pondo em risco o açude da Murta”, alertou.

O açude é “essencialmente alimentado por uma nascente do aquífero freático que lhe permite ter água disponível todo o ano”, mas, “se os níveis de água subterrânea forem rebaixados pela extracção intensa para rega, a nascente seca e a lagoa do açude pode secar”, insistiu o GEOTA.

O organização argumentou ainda que “as sucessivas aprovações de projectos agrícolas e turísticos, na sua maioria pela CCDR Alentejo, como autoridade de EIA, já permitiram a destruição de 30% da área da Zona Especial de Conservação (ZEC) Comporta-Galé, assim como o consumo excessivo de recursos hídricos”.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -