29 Novembro 2021, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalAlcácer do SalContrato para exploração de quartzo e caulino em Alcácer do Sal actualizado

Contrato para exploração de quartzo e caulino em Alcácer do Sal actualizado

Contrato actualizado em 28 de Outubro para permitir a reconfiguração da área de concessão

 

- PUB -

O contrato de concessão e exploração de depósitos de quartzo e caulino em Castelo Ventoso, no concelho de Alcácer do Sal, foi actualizado para permitir uma reconfiguração da área, divulgou a Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG).

A empresa Sifucel, Silicas S.A, com sede em Rio Maior, celebrou com o Estado, em 2008, o contrato de concessão e exploração do depósito mineral de quartzo e caulino na área denominada Casal Ventoso/Castelo Ventoso, na freguesia de Santiago, concelho de Alcácer do Sal, em regime de exclusividade.

O contrato foi actualizado em 28 de Outubro para permitir a reconfiguração da área de concessão, com alteração das coordenadas, respeitar o afastamento dos perímetros urbanos e garantir os princípios de sustentabilidade ambiental e de responsabilidade social no que respeita à afectação de parte dos encargos de exploração ao município de Alcácer do Sal, esclareceu a DGEG.

- PUB -

A área de concessão de exploração é de 67,806 hectares e as autorizações, licenças, aprovações ou pareceres favoráveis deverão ser obtidos pela empresa que fica responsável por informar aquela entidade em caso de recusa, retirada, caducidade, revogação ou outra causa de invalidade com vista à regularização do processo.

O contrato estabelece que a alteração da área do Plano de Lavra actual fica sujeita ao regime de Avaliação de Impacte Ambiental.

Além das obrigações legais, a empresa deve executar os trabalhos de exploração em conformidade com o Plano de Lavra e os programas de trabalho aprovados, dentro das áreas de exploração aprovadas, e dar cumprimento às medidas impostas na Declaração de Impacte Ambiental e suas alterações.

- PUB -

A empresa Sifucel, Silicas S.A tem como encargo de exploração a obrigação de pagar um valor anual fixo, obrigatório e não dependente de laboração da exploração, um montante de 2.500 euros, e um valor anual variável de 3% sobre o Valor à Boca da Mina dos produtos mineiros ou concentrados expedidos ou utilizados.

Deste encargo, 65% são pagos à Direcção-Geral de Energia e Geologia e 35% são pagos à Câmara Municipal de Alcácer do Sal.

No contrato é ainda mencionado que, decorridos cinco anos a partir da assinatura do contrato de concessão, e no fim de cada período de cinco anos, poderá proceder-se à revisão do encargo de exploração tendo em conta a evolução geral dos mercados e das cotações, os progressos tecnológicos e os contratos ou condições vigentes.

Segundo informação do Governo, em 28 de Outubro foram assinados nove contratos mineiros, cinco para exploração e quatro de prospecção e pesquisa, em várias zonas do País.

HYN 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -