15 Junho 2024, Sábado

- PUB -
Litoral Alentejano com 117 operacionais e um meio aéreo na fase mais crítica

Litoral Alentejano com 117 operacionais e um meio aéreo na fase mais crítica

Litoral Alentejano com 117 operacionais e um meio aéreo na fase mais crítica

Tiago Bugio, comandante Sub-Regional de Emergência e Protecção Civil do Alentejo Litoral, refere que este “não é o dispositivo ideal, mas é o possível”

 

Os cinco municípios do litoral alentejano vão contar, na época mais crítica de incêndios florestais, com um total de 117 operacionais disponíveis para o combate aos fogos, apoiados por um meio aéreo, foi hoje divulgado.

- PUB -

“Não é o dispositivo ideal, mas é o possível”, disse o comandante Sub-Regional de Emergência e Protecção Civil do Alentejo Litoral, Tiago Bugio.

O responsável falava aos jornalistas à margem da cerimónia de apresentação do dispositivo especial de combate a incêndios rurais da sub-região do Alentejo Litoral que decorreu no Parque de Feiras e Exposições de Grândola, no distrito de Setúbal.

“Estamos a trabalhar para sermos muito mais eficientes, com treinos e mobilização de meios, e a preparar este dispositivo de forma minuciosa para, face à sua dimensão, ser o mais rápido possível e com a melhor quantidade de meios”, adiantou.

- PUB -

A sub-região do Alentejo Litoral, que é composta pelos municípios de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e Sines, no distrito de Setúbal, e Odemira (Beja), tem uma área de 531 mil hectares e conta com 100 mil habitantes.

Do total da área, “95% é composta por floresta, mato, superfícies agro-florestais, agrícolas e pastagem”, precisou o responsável.

“Temos alguns concelhos que preocupam muito, face à ausência praticamente de resposta, como o concelho de Sines que tem uma freguesia prioritária para este dispositivo de combate a incêndios rurais”, revelou.

- PUB -

Este município irá disponibilizar apenas “uma cisterna”, cabendo “o ataque inicial” à equipa de Sapadores Florestais, explicou o responsável, acrescentando que só, após o alerta, serão mobilizados “alguns bombeiros de Sines e dos concelhos limítrofes”.

O dispositivo vai contar, entre 15 de Maio e 15 de Outubro, com o empenhamento de 10 corpos de bombeiros da sub-região do litoral alentejano, oito equipas de Intervenção Permanente (IP), num total de 40 bombeiros, sete Equipas de Combate a Incêndios e cinco Equipas de Apoio Logístico, num total de 85 bombeiros para a fase inicial.

Na fase mais crítica de fogos, o dispositivo vai contar com 13 Equipas de Combate a Incêndios e seis de Apoio Logístico, perfazendo um total de 117 bombeiros incluindo as Equipas de Intervenção Permanente.

Segundo o responsável o dispositivo será ainda reforçado “com um meio aéreo, sedeado em Grândola, a partir de 01 de Junho”.

A época mais crítica dos incêndios florestais decorre de 01 de Julho a 30 de Setembro.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -