9 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioEmpresasJorge Gama antevê para a GBSO Solutions: "Queremos, em 2025, alcançar os...

Jorge Gama antevê para a GBSO Solutions: “Queremos, em 2025, alcançar os 8 milhões de euros em vendas”

Últimos indicadores apontam para um crescimento a rondar os 24%. Jorge Gama sócio da GBSO Solutions acredita que o volume de vendas pode chegar perto dos 10 milhões de euros em 2025

 

- PUB -

A GBSO – Global Brands Solutions manteve, em 2022, o seu lugar no top 500 do Ranking das 1000 Maiores Empresas do distrito de Setúbal num trabalho elaborado pela consultora Iberinform Portugal para o jornal O SETUBALENSE.

A empresa localizada no Seixal figura na 425ª posição. Na base desta performance, Jorge Gama (na foto), sócio e responsável pela área comercial da GBSO, destacou, entre outros factores, o forte investimento no lançamento de novos produtos em 2022. “Alargámos a distribuição a novos canais, e conseguimos um considerável número de novos clientes o que nos permitiu um crescimento de 24% versus a 2021″.

Para o curto e médio prazo futuro Jorge Gama acredita que a GBSO Solutions se irá manter fiel aos objectivos definidos para os primeiros 10 anos. “Queremos em 2025 alcançar os 8 milhões em vendas. E queremos vender, das nossas duas principais marcas, 4 milhões de euros em 2023, e 5 milhões em 2024. A internacionalização está também na nossa agenda para 2023 e a consolidação operacional do negócio online”.

- PUB -

Criada em 2014, especializada em representação e distribuição de marcas no mercado português, sobretudo na área do grande consumo não alimentar. Com uma equipa altamente experiente e especializada na área do grande consumo, também oferece aos clientes a possibilidade de um apoio de consultoria na área do marketing estratégico e estratégia comercial e, ainda, consultoria e apoio na área da internacionalização.

O SETUBALENSE – Qual o segredo para a empresa impor tão rapidamente (desde 2014) a sua marca num sector tão competitivo?

Jorge Gama – Não existe propriamente um segredo, mas sim um conjunto de factores críticos aos quais somos absolutamente fundamentalistas: muito trabalho, muito foco, agilidade, capacidade de resposta às solicitações, transparência e capacidade de manter o exercício sobre grande pressão, porque fornecer as cadeias de retalho moderno é sinónimo de trabalhar sempre em contra-relógio e sobre grande pressão. Quem souber e conseguir conviver com esta realidade pode ter sucesso. Não basta isso, claro, mas o que referi é fundamental. Depois creio que soubemos ocupar alguns espaços que não estavam ocupados em termos de oferta de marcas e produtos, trazendo sempre para o mercado produtos de tendência e inovadores.

- PUB -

OS – A GBSO está  no distrito de Setúbal desde 2019. Que potencial ainda vê nesta extensa região?

JG – O potencial é gigante, porém falta pensamento estratégico dos diferentes concelhos, a oferta de parques industriais é pouco variada. As infraestruturas rodoviárias são boas, mas a ligação entre os polos industriais e os meios de transporte são péssimos. No parque industrial onde estamos localizados, por exemplo, os transportes públicos são escassos ou inexistentes, sendo impossível alguém se deslocar para lá sem ser em viatura própria. Uma das chaves para facilitar o recrutamento são os acessos para se poder captar mão-de-obra de diferentes origens, e essa é uma tarefa complexa. Estamos a procurar uma opção para expansão das instalações e de facto a oferta, por exemplo, no concelho onde estamos, Almada, é inexistente e resta-nos deslocalizarmo-nos para Palmela ou Setúbal, que por razões operacionais queremos evitar. Em suma, o potencial existe, a oferta para as pessoas viverem no concelho melhorou durante décadas, mas neste momento estagnou e começa a ser difícil para as famílias encontrarem locais para viver, dentro dos seus orçamentos familiares. Existe muito trabalho a desenvolver nos transportes públicos, habitação, saúde e educação, são estes os factores críticos nas decisões de fixar habitação das pessoas.

OS – Em 2017 a GBSO lançou a sua própria marca de higiene corporal, a Soft & Co. Está no vosso horizonte a criação de novas marcas próprias?

JG – A nossa marca Soft & Co foi lançada, como referido, em 2017 num o segmento realmente muito competitivo, mas fomos sempre fiéis à nossa ideia de propor um produto de elevada qualidade, a preços justos e competitivos, numa embalagem simples, cuidada e funcional. Os consumidores Soft & Co confiam na marca, a mesma ganhou essa confiança nestes anos de lançamento. Foi desafiante, difícil, mas os resultados deixam-nos optimistas para o futuro. Mantemos a nossa ideia inicial de oferecer uma marca portuguesa, pensada desde o início em Portugal e produzida totalmente no nosso país. Mesmo as matérias-primas e as embalagens da marca são em perto de 95% de origem nacional. Mais recentemente apostámos em certificar a marca como Vegan, uma certificação internacional muito complexa de alcançar. A preocupação estratégica que se segue é a sustentabilidade e ecologia. Em 2022 entrámos com a marca no segmento de rosto, com a novíssima gama de séruns Glow By Soft & Co.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Café na baixa de Setúbal assaltado esta manhã

Crime decorreu por volta das 10h30, com a proprietária a pedir ajuda a comerciantes e pessoas que transitavam perto do local
- PUB -