1 Fevereiro 2023, Quarta-feira
- PUB -
InícioEdição 1000167º aniversárioPatrícia Dias: A campeã de judo que ficou na modalidade por vergonha...

Patrícia Dias: A campeã de judo que ficou na modalidade por vergonha de dizer que não gostava

Jovem do Pragal, de apenas 14 anos, já foi Campeã Nacional de juvenis e cadetes e é Vice-Campeã Nacional de juniores

 

- PUB -

Patrícia Dias é um nome de futuro a ter em conta no panorama do judo nacional. Com apenas 14 anos, a jovem atleta do Judo Clube Pragal conta já com um currículo digno de nota. É atualmente Vice-Campeã nacional de juniores e Campeã Nacional de Cadetes no seu escalão (-70kg). No ano passado foi Campeã Nacional de Juvenis, e conquistou ainda o primeiro lugar em torneios internacionais, nomeadamente a Copa de Espanha de Avilés e o Torneio Feminino de Cadetes da Cidade de Eibar (ambos em Espanha).

Curiosamente, o judo não foi um amor à primeira vista. “Lembro-me que fiz a primeira aula e não gostei, mas já tinha experimentado outros desportos e tinha vergonha de dizer que não tinha gostado outra vez. Acabei por ficar e foi uma coisa que aprendi a gostar ao longo do tempo” revela a jovem, realçando ainda o papel da família, especificamente do pai, que sempre deu importância à prática desportiva e a incentivou.

A jovem treina todos os dias, numa rotina dividida entre os estudos e o desporto: “Quando tenho aulas à tarde faço treino de manhã e depois vou para o centro de estudos. À hora de almoço vou para a escola, e depois quando saio volto outra vez para o clube. No caso deste ano (o 9º), como tinha aulas de manhã ia para a escola, depois ia ao centro de estudos da parte da tarde, e só ao fim da tarde é que conseguia vir treinar”.

- PUB -

Patrícia diz ter sempre o apoio do centro de estudos, que acaba por funcionar como um ponto de equilíbrio importante no conciliar da escola com o judo.

O apoio dos pais é igualmente importante. “Precisamos sempre do apoio deles, para assinar autorizações para poder competir, ou para ter as coisas que são necessárias para as provas, como por exemplo comprar equipamento. E até pelo próprio apoio moral, acaba sempre por ser importante”.

O encargo financeiro é, com efeito, uma realidade algo ignorada, mas altamente importante quando se fala da prática desportiva. Aqui, os pais de qualquer jovem atleta assumem um papel preponderante, e os de Patrícia não são excepção. “Onde se gasta mais dinheiro, no judo, acaba por ser nos fatos, que são de facto muito caros. Depois também há as provas – por exemplo, se quiser ir para fora, e não sou convocada pela seleção, tenho de pagar as despesas. Esse tipo de coisas faz com que seja um desporto caro, na minha opinião.“, explica.

- PUB -

Além das provas nacionais, também lá fora a judoca tem-se destacado e conquistado algum reconhecimento, tendo, no ano passado, vencido a Copa de Espanha de Avilés e o Torneio Feminino de Cadetes da Cidade de Eibar, além de conquistar um 2º lugar na Copa de Espanha de Cadetes de Pamplona e um 3º lugar na Copa de Espanha de Juniores.

Questionada sobre o momento mais feliz do seu percurso desportivo até ao momento, destaca as vitórias no Campeonato Nacional de Juvenis e de Cadetes. “Depois, as provas no estrangeiro também foram momentos felizes, e acho que são momentos importantes para a minha evolução”, partilha a jovem judoca.

Patrícia completa 15 anos em Dezembro deste ano. Dada a sua tenra idade, não é de estranhar que tenha objetivos e aspirações. Quando questionada sobre eles, a resposta é perentória: “Quero levar o judo o mais longe que conseguir”. O judo é mesmo uma prioridade na sua vida, e a determinação em chegar o mais longe possível estende-se também à vida fora do desporto. “Em termos de profissões, quero fazer alguma coisa que me permita conciliar com o judo, mas o judo é sem dúvida uma coisa que quero levar para a vida”. E qual é a profissão que gostava de seguir? “Gostava de ser inspetora de criminologia”, conclui.

 

Patrícia Dias à queima-roupa

Idade 14 anos

Naturalidade Pragal, Almada

Residência Almada, Portugal

Modalidade Judo

Reconhecida no seu escalão a nível nacional e internacional, quer levar o judo o mais longe possível, e no futuro espera conciliar a sua vida profissional com a prática desportiva.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Autoeuropa anuncia unidade 1 milhão do T-Roc que vai rodar noutro continente

Número redondo foi anunciado pela direcção da fábrica de Palmela. Automóvel já tem destino traçado

O sangue e o oxigénio dos Tribunais

Ninguém duvida que os oficiais de justiça são essenciais para a Administração da Justiça.
- PUB -