26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioDossiêEspecial 165 AnosHistória de 110 anos da Fábrica da Cortiça das Ermidas está prestes...

História de 110 anos da Fábrica da Cortiça das Ermidas está prestes a acabar

As viagens de burro de José, os judeus na 2ª Guerra Mundial e o fecho de uma vida

O SETUBALENSE quis conhecer a história da fábrica de cortiça “Gonçalves e Douradinha, Lda”, situada Freguesia de Ermidas de Sado, Santiago do Cacém, fundada em 1910, e para isso falou com José Costa, neto do fundador.

- PUB -

Foi há 110 que o algarvio José Costa Gonçalves se mudou para o Alentejo “num burro”. Fazia várias viagens entre o Algarve e o Alentejo, nas quais “recolhia bocados de cortiça desperdiçada” até que tomou a decisão de deixar o Sul, “e acabou por fazer uma fábrica de cortiça junto ao caminho-de-ferro em Ermidas do Sado”, explicou o neto José Costa. Anos mais tarde, continuou, “em sociedade com um judeu [chamado Shauman] teve um escritório em Lisboa onde exportava para todo o mundo”.

A unidade fabril destina-se maioritariamente à produção de rolhas, de aglomerados e de parquet, sendo que todos os pedaços de cortiça são aproveitados.

O neto do fundador herdou a fábrica, que passou de geração em geração. Trabalha como administrador, ainda ao lado do pai, Ernesto Costa. Porém, revelou em primeira mão ao jornal, que a probabilidade de a fábrica fechar é alta, “porque não há continuidade”. Assume que tem de se viver “um dia de cada vez”, não respondendo à hipótese de o novo proprietário continuar ou cessar funções. Admite que “não se pode viver à custa do Estado a vida toda, [sendo] também preciso iniciativa e capacidade de trabalho” e, portanto, o fecho nada tem a ver com a Covid-19. A população ainda não se manifestou porque “ não há confirmação, apenas uma previsão lógica do futuro a curto-médio prazo”, esclareceu o actual proprietário. José Costa não esconde a tristeza de ver a fábrica fechar portas para si e para outros 10 trabalhadores.

- PUB -

O administrador da fábrica esclarece que uma da preocupações e problemas deste meio é “a seca que está a acabar com a produção de cortiça, tanto em quantidade como em qualidade, e a passagem da rolha natural para a rolha técnica”. No entanto, “nos últimos cinco anos a cortiça teve um pico de procura”, o que foi marcante. É sabido que hoje a cortiça é utilizada no artesanato e são vários os objectos e adereços que se fazem com o material. É hoje uma imagem e marca de Portugal. José Costa admite que “a técnica de preparação de cortiça” manteve-se sempre igual, independentemente da altura de funcionamento e que, “foram mais de 100 anos de crescimento”.

Como curiosidade, surge o facto de que, na altura da Segunda Guerra Mundial, em momento de exportações para os Estados Unidos da América, o avô e o amigo judeu ajudaram outros judeus a fugirem para esse destino. “Recebi há um mês uma carta de agradecimento de uma família de Judeus”, escrita pelo neto, conta José Costa.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -