12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioDesporto“Não tenho motivação para jogar noutro clube que não o Vitória”

“Não tenho motivação para jogar noutro clube que não o Vitória”

“Vamos construir um plantel forte e equilibrado para subir já este ano”, afirma o novo técnico dos montijenses”

 

- PUB -

Depois de sete anos ao serviço do Vitória, o defesa Nuno Pinto decidiu, aos 35 anos, arrumar as chuteiras. O jogador, que chegou a Setúbal em 2015/16, confessa que nunca equacionou terminar a carreira noutro emblema além dos sadinos, que não mostraram interesse em renovar o contrato que ligava ambas as partes no final do campeonato. Fechada essa porta, Nuno Pinto viu outra abrir-se com o convite que recebeu para treinar o Olímpico do Montijo, da 1.ª Divisão Distrital da Associação de Futebol de Setúbal.

O agora técnico dos montijenses, que terminaram o campeonato em 3.º lugar na temporada transacta, confessa-se entusiasmado com o desafio. “É um clube importante da Margem Sul do Tejo e é um projecto aliciante. Vamos construir um plantel forte e equilibrado para subir já este ano”, assegura a O SETUBALENSE, não escondendo o sonho de um dia regressar ao Vitória. “mais tarde gostaria de voltar ao clube que sempre me acarinhou. Criei uma ligação muito forte com a cidade e os adeptos”.

 

- PUB -

Depois de sete épocas ao serviço do Vitória, o que sentiu quando soube que o seu contrato com o clube não seria renovado?

Não foi o desfecho que idealizava. Não estava à espera, mas com o passar do tempo e sem respostas da parte da direcção, cheguei à conclusão que não queriam continuar comigo. Não foram sete dias nem sete meses que estive no clube, foram sete anos com a camisola do Vitória. Compreendo que o futebol é assim…

Sentiu-se magoado?

- PUB -

Nunca posso ter mágoa porque o Vitória deu-me muito e ajudou-me na fase mais difícil da minha vida. No entanto, posso dizer que me senti triste porque não contava com este desfecho depois tudo o que passei e de ter abdicado da minha carreira para ajudar o clube quando caiu no Campeonato de Portugal.

A 6 de Agosto completa o 36.º aniversário, sentia condições para continuar a jogar?

Sinto que tenho condições para o fazer, mas, depois de vestir a camisola do Vitória durante sete anos, não tenho motivação para jogar noutro clube que não o Vitória. Não havia mais nenhum clube que me motivasse a levantar todos os dias para ir treinar e para jogar. Por isso, apesar de poder fazê-lo noutro clube, prefiro terminar de uma maneira digna depois de representar um clube que me deu e me diz muito.

O que sente por saber que não vai voltar a jogar futebol? Angústia, saudade…

Neste momento, não vivo nenhum desses sentimentos. As pré-épocas começaram agora e ainda não há jogos oficiais na televisão. Sei que a fase da nostalgia virá, mas tomei esta decisão e, com o apoio da minha família, que sempre foi um grande suporte, vou estar preparado quando esses sentimentos surgirem

Como encara a possibilidade de um dia poder voltar ao Vitória noutras funções?

Sem dúvida que mais tarde gostaria de voltar ao clube que sempre me acarinhou. A minha intenção era terminar a carreira no Vitória e ficar, de alguma forma, ligado ao clube. Não foi possível e tenho de entender a decisão que foi tomada. Não sou de Setúbal, mas considero-me daqui. Comprei casa cá e tenciono ficar por Setúbal. Criei uma ligação muito forte com a cidade e os adeptos.

Teve abordagens de clubes para continuar a jogar?

Tive propostas, mas nem quis ouvir de que clubes eram. As pessoas perguntavam-me se estava disponível e a minha resposta sempre foi negativa. Não tomei a decisão de um dia para o outro, foi ponderada durante o mês e meio em que nada me foi dito. Tive esses dias para pensar e cheguei à conclusão que o melhor para mim era não voltar a jogar.

 

Nunca escondeu o desejo de continuar ligado ao futebol. O que se segue?

Desde os sete anos que estou no futebol e quero continuar ligado à modalidade. Tive uma abordagem do Olímpico do Montijo para ser treinador e decidi aceitar. É um clube importante da Margem Sul do Tejo e é um projecto aliciante. Nos dois últimos anos no Vitória procurei aperfeiçoar-me mais. Tínhamos muitos meninos a jogar connosco e os mais velhos, dentro do campo, éramos além de jogadores um pouco de treinadores.

 O Olímpico ficou este ano no 3.º lugar da 1.ª Divisão Distrital da AF Setúbal. O objectivo é subir ao Campeonato de Portugal?

Sim, o maior objectivo é subir aos nacionais e para isso vamos construir um plantel forte e equilibrado para que isso possa acontecer já este ano.

Equaciona a possibilidade de acumular a função de treinador com a de jogador no Montijo?

Não. Está decidido que não voltarei a jogar. A decisão de não voltar a fazê-lo foi ponderada, não foi de um dia para o outro que a tomei.

Quais os treinadores e jogadores mais marcantes que teve?

O momento mais marcante da minha carreira foi a doença grave que tive enquanto jogador do Vitória. Por me terem apoiado nessa fase, sem dúvida que o treinador mais marcante e com quem mais gostei de trabalhar foi José Couceiro. Julio Velázquez também me marcou por ter acreditado em mim depois da doença. Nos jogadores, o Semedo, que foi incansável no período difícil que vivi, e o Rúben Micael, com quem joguei no Vitória e Nacional, foram os mais marcantes.

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -