11 Agosto 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioDesporto«Sinto a responsabilidade de mostrar a quem chega que o Vitória é...

«Sinto a responsabilidade de mostrar a quem chega que o Vitória é um clube enorme»

André Sousa, filho do histórico capitão Hélio, ajuda a transmitir mística a quem chega ao Bonfim

 

- PUB -

 

Apesar de ter apenas 21 anos de idade, o defesa André Sousa, filho de Hélio, histórico capitão do Vitória, não esconde que, por conhecer bem a história do clube, assume que procura, com os colegas que estão há mais tempo no plantel, transmitir a mística vitoriana a quem chega agora a Setúbal. “O Vitória é o clube do meu coração. Mesmo sendo novo sinto a responsabilidade de mostrar a quem chega que o Vitória é um clube enorme”.

O lateral-esquerdo confessa-se feliz por voltar a ter em 2019/20 a concorrência de Nuno Pinto, jogador que venceu este ano a batalha contra um linfoma. “Depois do que aconteceu, é bom tê-lo de volta. É um jogador experiente e ajuda-me. Independentemente de termos a mesma posição, ambos queremos que a equipa esteja ao mais alto nível”, vincou o setubalense André Sousa.

- PUB -

 

Quais as suas perspectivas para 2019/20, época em que volta a ter a concorrência de Nuno Pinto na posição de lateral-esquerdo?

Depois do que aconteceu, é bom tê-lo de volta. É um jogador experiente e ajuda-me. Independentemente de termos a mesma posição, ambos queremos que a equipa esteja ao mais alto nível. Quero ter mais jogos do que na época passada, fazer mais assistências como lateral-esquerdo e ajudar o Vitória, claro.

- PUB -

Como é voltar a ter Nuno Pinto a tempo inteiro no grupo de trabalho?

É bom. É uma pessoa alegre, bem-disposta e está sempre a brincar com a malta, algo que faz falta em qualquer grupo. Precisamos disso, é uma pessoa que ajuda bastante.

A sua personalidade reservada não podia ser mais diferente de Nuno Pinto…

(Risos) Sim. Sou uma pessoa calma e gosto de estar no meu canto. Dizem que sou como era o meu pai [Hélio Sousa], entro mudo e saio calado!

Os colegas devem brincar com essa sua característica…

Sim. Às vezes reunimos a equipa e querem que eu fale, mas eu achei que está tudo dito e não acrescento nada. Sou mais de ouvir e observar.

Por ser filho de Hélio Sousa, jogador que fez toda a sua carreira no Vitória, e já ter muitos anos de casa, sente que pode ajudar a transmitir a mística vitoriana?

Sim, acho que posso ajudar os colegas que chegam. Também temos os capitães que têm essa responsabilidade. O meu pai foi um grande jogador e fez toda a sua carreira no Vitória. Tive a sorte de viver alguns grandes momentos como a conquista da Taça de Portugal, em 2005, com o Benfica. Conheço histórias, vi vídeos, como aquele do 5-2 ao Benfica [1993/94]. Mesmo sendo novo, pelo que conheço do clube, sinto a responsabilidade de mostrar a quem chega que o Vitória é um clube enorme.

 

«Se fizesse a mesma coisa que o meu pai ficava feliz»

 

Vê-se a fazer toda a carreira no Vitória, como fez o seu pai?

O meu pai é o meu pai e eu sou eu. Gostava de ter o que ele conseguiu e ficar na história do clube e conquistar troféus. Gostava de ter isso, mas também gostava de ter outras ambições, ir para fora e jogar, mas se fizesse a mesma coisa que o meu pai ficava feliz porque o Vitória é o clube do meu coração.

A Taça de Portugal de 2005 foi erguida pelo seu pai e pelo seu actual treinador (Sandro Mendes), ambos capitães de equipa. Pode esse momento servir de inspiração para conquistar um troféu em breve?

O Vitória é um clube que concorre sempre às taças, seja de Portugal seja da Liga. São troféus que são muito especiais para o clube e os adeptos. Na equipa técnica, temos o Sandro, o Meyong e Marco Tábuas [actuais adjuntos que também eram jogadores no ano da conquista no Jamor] e podem transmitir-nos isso. Claro que o campeonato é mais importante e queremos a permanência.

Depois da aflição dos dois últimos anos, a prioridade é realizar uma prova tranquila?

Sim. Queremos a permanência o mais rápido possível e não reviver épocas passadas em que vivemos a aflição de ter de lutar sempre até ao fim. Queremos fazê-lo o mais rápido possível e depois pensar noutros objetivos.

Sente que o sufoco porque a equipa passou deu maturidade aos jogadores?

Sim. Essas situações dão-nos mais responsabilidade. Temos jogadores competentes para que isso não aconteça.

 

«Temos um grupo competitivo, duro e unido»

 

Que grupo tem o Vitória esta época?

Temos um grupo competitivo, duro e unido. Os treinos têm sido duros e é aí que que se vê a união e como todos puxam uns pelos outros.

Como vê aventura do pai como selecionador do Bahrein?

Com alegria. Já estava há 10 anos nas Selecções de Portugal e agora abraçou um novo desafio. Ganhou o que ganhou e quis outros desafios. Está muito mais longe mas estamos sempre a apoiá-lo.

Está sozinho?

Está, mas a minha mãe vai às vezes ao seu encontro.

Como está a ser a adaptação à nova realidade?

Já lá tinha ido e gostou. É um país pequeno, já mandou mensagem a dizer que a apresentação correu bem e tem um grupo competitivo.

Qual o maior conselho que guarda do seu pai?

Quando comecei a treinar com os seniores e fiz o contrato de três anos disse-me que três anos não duram para sempre e que passam rápido. Temos de dar o melhor em todos os treinos, ser duros e nunca desistir mesmo que as coisas corram mal.

Vai ser melhor jogador do que o pai?

Vamos ver. Espero que sim (risos).

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae
- PUB -