1 Outubro 2022, Sábado
- PUB -
Início167º aniversárioCarolina Nunes: A rapariga que não deixa “pontas soltas”

Carolina Nunes: A rapariga que não deixa “pontas soltas”

Sente-se “uma gota no oceano” com o trabalho de recolha de beatas e preservação da cidade sadina, mas a Medalha Honorífica com que foi reconhecida contradizem-na

 

- PUB -

De beatas percebe Carolina Nunes. Não é fumadora, nem nunca o foi, mas isso não a impede de saber que um cigarro tem cerca de quatro mil compostos químicos que ameaçam o planeta que tem tentado preservar. “Não sou contra os fumadores”, esclarece. “Sou contra o acto de atirar uma beata para o chão”.

Nem sempre foi assim. Há seis anos estava tranquila a recolher lixo das praias de Setúbal com uma amiga quando o “contraste das beatas com a suavidade do areal” a despertou para a realidade.

“Levávamos muita coisa nos sacos, mas os pequenos resíduos, como as beatas, ficavam para trás e isso deixou-me a remoer”. Com a exigência natural por respostas que a levou a seguir um Mestrado em Biologia Humana e Ambiente, começou a pesquisar sobre o tema e a descoberta deixou-a alarmada.

- PUB -

“São o lixo número um encontrado em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que sejam atiradas para o chão cerca de sete mil beatas por minuto. Era preciso fazer alguma coisa”, salienta.

Setúbal sem pontas

Tem uma aparência decidida e prima essa atitude para a vida. “Não gosto de pontas soltas”, desvenda. Não gosta mesmo ou não tinha criado, em conjunto com três colegas, a ‘Feel4Planet’, uma associação sem fins lucrativos que, mais do que recolher as beatas esquecidas pelos setubalenses, tem trabalhado na sensibilização ambiental, nos últimos cinco anos.

- PUB -

Inaugurou a campanha ‘#STBSEM-PONTAS’ em 2017 e a primeira vez que reuniu voluntários para ajudar na recolha de beatas contou milhares de resíduos encontrados.

“Fomos para a garagem do meu pai, espalhámos as beatas no chão e até fizemos uma brincadeira entre as quatro. Ganhava quem acertasse na quantidade de beatas apanhadas. 400, 500, pensávamos nós”. 40 minutos depois, Carolina e as colegas olhavam perplexas para o chão: “Eram mais de quatro mil”, afirma. Hoje em dia, tenta não se espantar tanto com o que encontra, mas a falta de conhecimento com que se depara continua a preocupar.

“Uma vez, um senhor muito querido esteve a ouvir-me imenso tempo a falar sobre as componentes de um cigarro e assim que terminei disse-me: «Ah, não se preocupe, menina. Eu deito-o sempre no sítio certo». Quando perguntei onde era, mostrou-me a sarjeta”, relembra.

Uma mulher no poder

Não tem problemas em reconhecer que o “sentido de justiça” é o que melhor a define e admite não se privar de ajudar quem pode. “Gosto de sentir que o que fiz teve impacto e fez a diferença na vida de alguém”.

Por esse motivo se sente tão entusiasmada com o cargo profissional que conseguiu, em 2020. Faz parte da Divisão da Juventude da Câmara Municipal de Setúbal, onde garante que temas como a saúde mental e preservação ambiental são trabalhados com os jovens.

O hábito de comunicar com gerações mais novas já vem de trás, dos tempos de monitora de crianças na ‘Ocean Alive’, a reconhecida cooperativa setubalense de protecção ma- rinha, onde dava aulas de educação marinha aos mais pequenos.

A dedicação com que se entrega ao que acredita não passa despercebida no concelho e, para sua surpresa, em 2021, alcançou uma Medalha Honorífica na área do Associativismo e Sindicalismo pelo trabalho desempenhado na ‘Feel4Planet’.

“Não estava nada à espera. Estava à procura do nome de um amigo na lista e encontrei o meu”, conta. Agradece o reconhecimento, mas a humildade acaba por falar mais alto: “Tenho um problema muito grande que é pensar que existem sempre pessoas a fazer mais. Então fico muito surpreendida com este tipo de coisas”.

A verdade é que não são todos os que se propõem a ocupar o tempo livre de luvas na mão, a arrecadar o que é deixado para trás por terceiros ou a expor-se em conferências nacionais de protecção ambiental.

Humildade à parte, não consegue deixar de sentir que está também a ter influência na forma como as “grandes entidades ligadas ao Ambiente” começaram a ter uma preocupação mais acentuada em recolher os pequenos resíduos do chão.

“Podemos ser apenas uma gota de água no oceano, mas o oceano é feito de muitas gotas e se conseguirmos mudar alguma coisa já estamos a ter algum impacto”, remata.

 

Carolina Nunes à queima-roupa

Idade: 30 anos

Residência: Setúbal

Naturalidade: Setúbal

Área: Ambiente

Propõe-se a tornar Setúbal uma cidade livre de beatas de cigarro e desde 2017 que trabalha para que isso aconteça.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Alsa Todi não verá mais um cêntimo de Palmela se não cumprir o contrato

Município está indisponível para continuar a financiar o sistema e reclama à TML a aplicação de penalidades à operadora

Bombeira grávida de sete meses diz-se ‘injustamente dispensada’ de serviço

Autoridade para as Condições do Trabalho esteve no quartel da associação
- PUB -