1 Outubro 2022, Sábado
- PUB -
Início167º aniversárioCarolina Almeida: Quando a Arte e a Ciência se encontram

Carolina Almeida: Quando a Arte e a Ciência se encontram

Desde pequena que sabe o que quer e não tem medo de experimentar até conseguir criar um mundo onde criatividade e exactidão se unem num futuro verde

 

- PUB -

A primeira vez que Carolina Almeida viu National Geographic não conseguiu desviar os olhos do ecrã da televisão. Tinha seis anos quando o mundo se expandiu além da fl oresta atrás de casa onde costumava brincar e da horta dos vizinhos onde ajudava a apanhar feijões.

“De repente, existiam tigres, leões e girafas”, lembra. Uma realidade que escapava a tudo o que tinha conhecido até então na pacata vila do Zambujal, em Sesimbra, onde pertence.

Fantasiava com as estórias da mãe madeirense e do pai angolano que sempre viveram rodeados de natureza e idealizou um futuro semelhante: “Soube que, quando ‘fosse grande’ queria trabalhar com e para a natureza”.

- PUB -

Hoje, com 22 anos, não sabe se já é grande como imaginava, mas está cada vez mais perto de concretizar o desejo de pequena. Junto à Fortaleza de Santiago, mostra-se alegre e muito confiante no percurso que tem feito.

“Já trabalhei aqui”, diz a apontar para o Museu Marítimo de Sesimbra onde foi guia. “Tem um aquário digital com todas as espécies de peixe que existem na costa de Sesimbra. Quando não existiam visitas, passava o meu tempo a descobrir novas espécies”, relembra.

Define-se como uma rapariga prática e isso revela-se no que traz vestido. Umas jardineiras que lhe seguem os movimentos com um lenço verde atado à cintura, escolhido pelo seu lado mais criativo.

- PUB -

A curiosidade aguçada está à vista de qualquer um, embora em tempos tenha pensado não bastar para seguir Biologia: “Cheguei a pensar que não era inteligente o suficiente. A área da Ciência parecia-me muito assustadora”.

Duas paixões, uma só Carolina

Amparou-se na sua segunda paixão, a Arte, que descomplicou o que a primeira escondia. “Para mim, a Arte sempre foi um meio de tornar a Ciência acessível a um maior número de pessoas. Quando começas a ver Ciência em museus percebes que é tão preponderante ao ponto de moldar o mundo, o que também traz inspiração à Arte”.

Não só a Ciência deixou de ser assustadora como, terminada a Licenciatura em Biologia Ambiental, em2021, percebeu que o caminho não passava por aí. “As coisas em Ciência são muito vagarosas e eu sou uma pessoa com pressa”, garante.

Aos poucos, a veia de artista exigia mais atenção, mas a sesimbrense recusava-se a deixar Biologia para trás. “Sou uma pessoa de muitos interesses. O ideal seria juntar Biologia e Arte numa só”.

Foi o que pensou quando seguiu para o curso de Ilustração Científica, no Museu de História Natural de Lisboa. Passava os dias a desenhar seres vivos marinhos, os quais estava habituada a ver nas praias de Sesimbra, mas ainda não se sentia satisfeita.

“Estava frustrada. Faltava a parte social e de envolvência da sociedade. Quero trazer algo palpável para o mundo”, conta. Habituou-se a ter um contributo activo ao participar em diversas acções de voluntariado e não lhe fazia sentido não fazer o mesmo na área das ciências exactas.

“É muito difícil fazer omeletes quando não tens uma frigideira” O momento ‘Eureca’ deu-se num estágio no Instituto Gulbenkian de Ciência, onde se envolveu no projecto ‘Lab in a suitcase’, que cedia kits com materiais indispensáveis à investigação por um custo mais reduzido, a países parceiros de origem africana.

“Foi das melhores experiências de sempre”, revela. “Isso é tornar a ciência acessível a todos. É muito difícil fazer omeletes quando não tens uma frigideira ou um fogão e foi assim que percebi como a Biologia pode ter uma função mais utilitária, além da investigação científica”.

Depois de tomar o gosto de “descomplicar a Ciência”, não quis parar. Voluntariou-se para o cargo de copywriter na ‘Reboot’, uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, onde está actualmente a escrever sobre sustentabilidade.

“Podemos ser sustentáveis a todos os níveis, basta termos o conhecimento certo. Já escrevi um artigo sobre como ter sexo sustentável. É possível”, exclama a rir.

O passo seguinte é largar a terra que a viu nascer e rumar a terrenos espanhóis. Está a preparar-se para iniciar um Mestrado em Design de Futuros Emergentes, no Instituto de Arquitectura Avançada da Catalunha e as expectativas não poderiam ser mais elevadas.

“Estou super entusiasmada”, refere. Vai estudar para desenvolver protótipos de edifícios simbióticos que combinam a arquitectura moderna com matérias naturais. “A ideia é criar cidades onde a relação com a natureza não seja feita de partes. É como um todo, onde não se consegue identificar onde termina uma e acaba outra”.

No fundo, é o contributo que queria dar: preparar-se para criar “algo palpável”, como tem ambicionado nestes longos 22 anos.

 

Carolina Almeida à queima-roupa

Idade: 22 anos

Residência: Sesimbra

Naturalidade: Sesimbra

Área: Ambiente

Não sabia se era “inteligente” para seguir Biologia, mas arriscou. Hoje, quer tornar a Ciência uma área de todos e para todos.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Alsa Todi não verá mais um cêntimo de Palmela se não cumprir o contrato

Município está indisponível para continuar a financiar o sistema e reclama à TML a aplicação de penalidades à operadora

Bombeira grávida de sete meses diz-se ‘injustamente dispensada’ de serviço

Autoridade para as Condições do Trabalho esteve no quartel da associação
- PUB -