1 Outubro 2022, Sábado
- PUB -
Início167º aniversárioJoão Pedro Leitão: Mais jovem presidente de assembleia de freguesia do País...

João Pedro Leitão: Mais jovem presidente de assembleia de freguesia do País mora em Quinta do Anjo

Às funções de autarca alia formação académica em Direito e a vertente de escritor, recém-iniciada

 

- PUB -

Só iniciou o percurso na área política em finais de 2019 e, aos olhos dos amigos, essa é a sua imagem de marca. Confessa que é conhecido por “João Político”, até porque, justifica, “a política é tema que nunca falta na ementa” quando está entre aqueles que lhe são mais próximos. Trata-se de João Pedro Leitão, 22 anos, o mais jovem presidente de uma assembleia de freguesia em Portugal.

Apesar da tenra idade foi o escolhido, após as autárquicas realizadas em 26 de Setembro de 2021, para liderar o órgão deliberativo da Quinta do Anjo, concelho de Palmela, onde reside actualmente. “Comecei como militante de base da Juventude Socialista [JS] em finais de 2019 e foi a partir daí que passei a estar mais activo na política”, revela João Pedro Leitão, que nasceu na Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, e cresceu em Setúbal até se ter mudado, há cerca de um par de anos, para a freguesia quintajense.

E o abraço à actividade política foi apertado com espírito de missão. “Missão de servir o povo, de ajudar o próximo, de contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, mais igual, mais fraterna e que responda aos anseios da juventude”, explica, para vincar de seguida: “Não gosto de ficar sentado a relatar problemas e não ajudar a superá-los. Não gosto de ser treinador de bancada.”

- PUB -

Fundamental, considera, é lançar mão da bússola de princípios que deve nortear a rota a seguir pelas mais ou menos agitadas águas da política, em particular, e também em todas as dimensões da vida, em geral. “Entrei no Instituto dos Pupilos do Exército com 13 anos e saí com 18 e aí absorvi valores e princípios fundamentais e indissociáveis daquela que deve ser a conduta humana em sociedade, como igualdade, liberdade e fraternidade”, sublinha o jovem autarca, que reconhece ter adoptado um papel mais interventivo depois de ter entrado, em 2018, na Universidade Europeia para frequentar Direito. “Entre o 2º e o 3º ano tornei-me vice-presidente da direcção da Associação de Estudantes, o que me fez sempre querer ajudar o próximo e contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, mais igual, que responda aos anseios dos estudantes”, frisa sobre o passado mais recente, agora que se encontra a tirar o Mestrado em Direito Internacional e Europeu na Nova School of Law e para trás que ficou uma infância académica com passagens por St. Peter’s School, Colégio de S. Filipe, Escola du Bocage e liceu de Setúbal.

Mais um amor do que Marco Paulo

Ter sido escolhido para presidir à Assembleia de Freguesia de Quinta do Anjo foi “fruto do trabalho, da confiança, daquilo que foram as acções quotidianas de alguém que quer fazer a diferença na vida dos fregueses”, defende. E admite que, face à idade, ficou surpreendido, mas não totalmente. Até porque, o PS em Palmela “tem apostado nos jovens, na sua vontade de transformar e contribuir para a sociedade”. Tinha 21 anos quando assumiu a função. Mas rejeita que isso possa ser encarado com uma
desvantagem.

- PUB -

“Os jovens têm muita qualidade. A experiência adquire-se no terreno. Essencial é a aposta em pessoas que têm vontade de ajudar e contribuir. É este o activo mais importante em algo que se queira fazer na vida. Devemos ouvir os que têm mais experiência e a tenra idade não é nem pode ser um obstáculo porque ninguém nasce ensinado”, argumenta.

A meritocracia, junta, é que “tem de ser condição sine qua non” para o desempenho, sobretudo, de cargos públicos. Todavia, nos dias que correm, João Pedro Leitão crê que essa ainda “é uma miragem” nos vários sectores da sociedade. Por isso, acrescenta, “deve constituir uma luta diária” que a sua geração “terá de implementar para que de futuro seja definitivamente o ADN de todas as instituições democráticas”, pois há que “valorizar todos pelo mérito”.

Além da política, o autarca – que cumpre também um primeiro mandato na presidência da JS de Palmela – tem abertos mais dois outros capítulos no livro da vida: o Direito e a escrita. E na hora de apontar uma predilecção mostra-se mais indeciso do que Marco Paulo com o sucesso musical lançado nos inícios da década de 80. É que João Pedro também não tem a certeza de qual dos seus amores gosta mais.

“Não consigo eleger uma destas paixões, todas interligam-se. A escrita e a oralidade são importantes para comunicar em política. O Direito regula-nos e a política é indissociável
do Direito.”

E foi através da escrita que em Maio deste ano trouxe para cima da mesa uma abordagem, em livro, sobre 60 temas pertinentes que ajuda a reflectir e a clarificar a acção política e o seu impacto na sociedade. “Crónicas do Mundo e da Actualidade” intitula esta obra que marca a sua estreia enquanto autor a solo.

Quanto a anseios futuros, João Pedro Leitão não abre muito o jogo. “O meu sonho é ajudar o meu País e a minha freguesia o melhor que pu-
der, dentro das minhas competências profissionais, pessoais e intelectuais”,
conclui.

 

Escrita Dar resposta a lacunas da sociedade

A importância da integração dos refugiados, o lenocínio, a saúde mental, a eutanásia, e o combate às alterações climáticas são apenas alguns dos temas abordados por João Pedro Leitão em “Crónicas do Mundo e da Actualidade”.

E a entrada no mundo dos autores, nas estantes literárias, é justificada com o anseio de “dar voz a temas mais e menos mediatizados”. “Quis dar resposta a lacunas que observava quotidianamente, combater a abstenção, com uma linguagem dirigida aos jovens”, aponta. E acrescenta a finalizar: “Que os jovens entrem em comunhão com este livro, que visa combater também a descredibilização do sistema político através de uma opinião isenta e com base em muita investigação e naquilo que é a lente de um jovem.”

 

João Pedro Leitão à queima-roupa

Idade: 22 anos

Naturalidade: Lisboa

Residência: Quinta do Anjo

Área: Política, Direito e literatura

Diz abraçar a política com espírito de missão, assente em valores e princípios. E destaca a meritocracia

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Alsa Todi não verá mais um cêntimo de Palmela se não cumprir o contrato

Município está indisponível para continuar a financiar o sistema e reclama à TML a aplicação de penalidades à operadora

Bombeira grávida de sete meses diz-se ‘injustamente dispensada’ de serviço

Autoridade para as Condições do Trabalho esteve no quartel da associação
- PUB -